Conheça o Claudião

Claudio começou a jogar com 12 anos no final de 1997, por influência de amigos que já praticavam o esporte. Um de seus amigos tinha uma mesa de tênis de mesa em sua casa, e lá eles se divertiam e brincavam. “Tudo começou com uma brincadeira”, ele diz. No final do mesmo ano, descobriu que um dos clubes da cidade de Bauru ministrava treinos, e foi aí que ingressou de vez no esporte. Desde então são 21 anos de carreira e muitas conquistas no currículo. Ele compete em provas regulares e em provas paralímpicas, isso porque aos 10 anos de idade, teve uma doença chamada Doença de Blount, que surgiu depois de uma inflamação na perna esquerda, causando um desgaste ósseo e diferenciando em quase 3 cm a altura da perna esquerda para a direita. Devido a essa doença, hoje em dia ele sofre com problemas no joelho, no tornozelo e também na coluna. “O tênis de mesa é um esporte democrático, qualquer pessoa pode jogar”, por ser um esporte democrático possibilita que um atleta jogue em todas as categorias e desempenhe um bom papel. O esporte não tem um padrão físico de atletas. Por isso é normal que paratletas joguem também em campeonatos regulares.

Veja o vídeo Leia Mais

História do Tênis de Mesa

O esporte surgiu na Inglaterra durante a segunda metade do século XIX, junto com o tênis de campo e o badminton. As primeiras lembranças registradas do esporte mostram-no sendo praticadas com livros dispostos no lugar da rede e com rolhas no lugar de bolinhas. Em seu inicio não exista um padrão a ser seguido quanto aos equipamentos. As primeiras raquetes eram de madeira, papelão ou tripa de animal, e podiam ser cobertas por cortiça, lixa ou tecido; já as bolas eram de cortiça ou borracha, e as redes tinham alturas diferentes de um jogo para outro. Assim como as regras que eram muito diferentes das utilizadas hoje em dia.

Leia Mais

Patrocinadores

Depoimentos

Eu vim pra cá em 2011 e foi quando nós iniciamos o trabalho (tênis de mesa) aqui em Bauru, fomos responsáveis por praticamente tudo o que se iniciou. E naquela época ele ainda não era um atleta paralímpico, e diferente de qualquer pessoa que às vezes para de jogar e não tem um incentivo interno, só externo, o Claudio sempre quis ser melhor do que ele mesmo. Depois disso ele teve uma passagem para o paralímpico da qual não foi aprovada a classificação dele de forma muito injusta, e em 2014 conseguiu se classificar como atleta paralímpico no final do ano, ou seja, de 2011 a 2014 ele batalhou dentro do esporte olímpico, não tem como falar do atleta esforçado que ele é. Ele é um cara muito perseverante, que acredita e vai atrás do que quer.

Adilson Toledo

Presidente e Técnico da Nova Era

Já faz alguns anos que eu treino com o Claudio e acompanho a carreira dele, e ele é uma das pessoas mais profissionais que eu conheço, dedicado e amante do esporte. Acho que se eu passasse por metade do que ele passou, eu já teria desistido do esporte há muito tempo, mas ele é um cara muito esforçado, dedicado, e o amor dele pelo esporte em si é muito grande.

Yuri Uetanabara Bavaresca

Atleta da Nova Era

Eu vim pra cá em 2011 e foi quando nós iniciamos o trabalho (tênis de mesa) aqui em Bauru, fomos responsáveis por praticamente tudo o que se iniciou. E naquela época ele ainda não era um atleta paralímpico, e diferente de qualquer pessoa que às vezes para de jogar e não tem um incentivo interno, só externo, o Claudio sempre quis ser melhor do que ele mesmo. Depois disso ele teve uma passagem para o paralímpico da qual não foi aprovada a classificação dele de forma muito injusta, e em 2014 conseguiu se classificar como atleta paralímpico no final do ano, ou seja, de 2011 a 2014 ele batalhou dentro do esporte olímpico, não tem como falar do atleta esforçado que ele é. Ele é um cara muito perseverante, que acredita e vai atrás do que quer.

Yuri Uetanabara Bavaresca

Presidente e Técnico da Nova Era